Category

Blog

Tratando a área externa da vagina.

Área externa da vagina – rejuvenescimento íntimo

By | Blog

Área externa da vagina – região externa da vagina, perineal e perianal

 

A área externa da vagina, bem como as regiões perianal e perineal são o foco da série sobre rejuvenescimento íntimo hoje.

Um dos tratamentos interessantes para serem utilizados na parte externa da vagina em relação ao envelhecimento são os preenchimentos vaginais.

Como isso é feito?

A ideia é tentar devolver o volume e o contorno dos grandes lábios para aquela vagina que murchou, perdeu volume e agora parece uma vagina desvitalizada.

 

Aquela parte que recobria as estruturas da vagina não conseguem mais fazer isso e, às vezes, os pequenos lábios estão aparentes exatamente porque os grandes estão muito pequenos.

 

O objetivo do preenchimento é volumizar essa região, devolvendo os contornos da vagina e devolvendo aquele aspecto bonitinho, com os lábios gordinhos, que vão cobrir toda a parte interna da vagina.

 

Esse é um tratamento feito com certa recorrência, porque, na maioria das vezes, a queixa é realmente esse lábio externo, que é o que mais aparece, é a primeira coisa que você olha quando tira a calcinha.

 

Então o preenchimento de lábios é um procedimento extremamente simples, rápido, feito em consultório, feito com anestesia local, então, a dor é só na hora. Você pode sair do consultório e fazer suas atividades normalmente, porque, em geral, nem fica dolorido. Pode ser que dê um pequeno edema, mas não existe restrição de relação sexual depois da aplicação.

 

Tratando as mucosas

 

Outro aspecto possível de tratar de forma não cirúrgica desse envelhecimento externo da vagina é a parte da mucosa, os pequenos lábios, o clítoris, o capuz do clítoris, a parte do ânus.

 

Toda essa parte de mucosa fica mais murcha, desvitalizada, acaba ficando com uma cor diferente, uma pele menos rosada, menos lubrificada. Realmente é um aspecto envelhecido.

 

Essas partes podem ser tratadas através de laser, com o laser de CO2 fracionado.

 

Esse laser, ao ser aplicado, vai fazer pequenos pontos de queimadura.

 

Esses pontos têm um controle de potência eletrônico, o médico consegue programar exatamente qual profundidade ele quer atingir, e qual a distância entre cada ponto de queimadura.

 

Isso vai variar de acordo com o tipo de tratamento, com a cor da pele e com o grau do problema.

 

A partir dessas pequenas queimaduras você vai conseguir uma cicatrização com regeneração do colágeno e das estruturas que compõem as estruturas da sua vagina naqueles locais.

 

Ao mesmo tempo, além dessa elasticidade melhorar, você tem também uma melhora da lubrificação local.

 

É aquela vagina que está aderida, meio coladinha, levemente arrocheada, por causa dessa perda de volume da mucosa interna, perda de estrutura, de lubrificação e de espessura.

 

Isso tudo vai melhorando através da formação de colágeno local e vai regenerando processos de envelhecimento que foram instalados naquela região, clareando, melhorando o aspecto.

 

Inclusive melhora na hora da relação sexual, porque mesmo que seja a parte externa, ela faz parte do namorar, daquele começo da relação, das preliminares e quando a vagina externa está ressecada, ela também se machuca por causa dos atritos.  

Você tem dor na hora do sexo? Clique aqui e veja como tratar esse problema. 

Região anal

 

Além da questão estética, tratar a parte externa da vagina também faz parte de uma melhora do conforto sexual.

 

Em relação ao ânus o tratamento seria o mesmo, mas nesse caso não tem muita relação com o conforto sexual, até porque no caso de sexo anal ele precisa ser extremamente lubrificado, a lubrificação natural não vai resolver.

 

Mas a parte de desconforto externa vai resolver, porque aquela pele tem condição de, com o laser de CO2 fracionado, sofrer uma leve retração e, em vez de ficar uma pele pendurava, vai ficar mais coesa, mais firme.

 

Muitas vezes ela não vai sumir, porque pode existir uma hemorroida concomitantemente com essa pelezinha. Em muitos casos a mulher já fez uma cirurgia de hemorroida e sobrou essa pele, essa também é uma indicação do laser.

 

Eu quis abordar essas questões da parte externa da vagina e da região perineal e perianal e nos próximos posts da nossa série vamos abordar cada um dos pedacinhos do envelhecimento genital.

 

Espero conseguir elucidar tudo sobre essa área que merece toda nossa atenção, porque, afinal, todo mundo merece ter prazer sexual e se sentir bem quando tirar a roupa.

 

Até a próxima!

Dor ao fazer sexo não é normal e precisa ser tratada.

Dor na relação sexual – rejuvenescimento íntimo

By | Blog

Dor na relação sexual: por que isso acontece?

 

Você tem dor na relação sexual?

Um dos problemas mais importantes no envelhecimento genital é a perda da lubrificação. Por que isso acontece?

A lubrificação vaginal é intimamente ligada ao estrogênio, que é o hormônio feminino.

Com o passar dos anos o estrogênio vai tendo uma queda, dando lugar para a testosterona, que é um hormônio masculino.

Isso faz parte do envelhecimento de toda mulher. Isso é a androgenização da mulher por causa da chegada da menopausa.

Essa baixa de estrogênio vai causando uma atrofia da mucosa vaginal, um afinamento dessa mucosa, que é onde é produzido o muco, a lubrificação.

 

Problemas da falta de lubrificação

Com essa lubrificação diminuindo, a sua vagina começa a ficar mais ressecada e isso causa desconforto em diversas situações.

O mais importante, mais presente nas queixas femininas, é a dificuldade de ter relação sexual sem dor, porque se você não tem um deslizamento entre vagina e pênis você tem um atrito.

Esse atrito vai acarretar em fissuras e machucados, tanto no pênis quanto na vagina, tornando a relação desconfortável e, muitas vezes, intensamente dolorosa.

É muito comum esse problema e muitas mulheres que não têm coragem de se queixar nem para a própria ginecologista, porque têm vergonha de falar isso pessoalmente.

Algumas mulheres têm relação há muitos anos, é casada há muitos anos, mas nunca teve prazer, sempre sentiu dor. E essa dor é extremamente desconfortável, porque o sexo é para ser um momento de intenso prazer e não de dor.

Essa dificuldade de lubrificação também pode acarretar problemas de saúde na vagina. Por essas microfissuras existirem você tem uma tendência à mudança da flora vaginal e pode ter mais vaginoses, como candidíase, e isso acarretar em desconfortos maiores, além da relação sexual.

Algumas mulheres reportam coceiras, por esse ressecamento estar mais intenso e esse é um aspecto que tem que ser observado mesmo na mulher que não tem vida sexual ativa.

 

Pequenos lábios muito grandes

Outra queixa muito comum e que também costuma ser anônima, é das mulheres que têm vergonha da própria vagina.

Elas deixam de ter relações sexuais, não se envolvem com homens porque têm vergonha de tirar a calcinha.

A vagina é composta pelos grandes lábios, que é a parte gordinha onde ficam os pelos, e os pequenos lábios, que ficam dentro dos grandes lábios e são mais molhadinhos.

Muitas mulheres têm esses pequenos lábios grandes e eles acabam ficando muito aparentes em comparação à vagina como um todo e chamando a atenção.

Isso gera um desconforto estético que muitas vezes atrapalha a vida social e a vida íntima dessa mulher.

Existe tratamento para isso, que serão abordados ao longo dessa série.

O aumento dos pequenos lábios, é interessante ressaltar, que na puberdade, com a alta de hormônios, a vagina vai tomando outras formas.

Os hormônios vão agir na região genital, modificando a parte externa, que deixa de ter um aspecto de menina e começa a ter o aspecto de uma vagina de mulher, tanto quanto modificando a parte interna.

Os pequenos lábios sofrem a ação intensa desses hormônios e, em alguns casos, quando a genética manda, eles tendem a crescer, a escurecer e mudar esse aspecto mesmo.

Ao longo dessa série especial sobre o rejuvenescimento íntimo nós vamos falar desse envelhecimento e também dos tratamentos que existem para esses problemas que tanto incomodam.  

Série rejuvenescimento íntimo: os problemas do envelhecimento vaginal

Envelhecimento vaginal – série rejuvenescimento íntimo

By | Blog

Envelhecimento vaginal: problemas e soluções

 

Quais os problemas que acontecem com o envelhecimento da mucosa íntima?

 

Atrofia vaginal genital

Ela acontece não só no canal vaginal, mas também na uretra e na parte externa da vagina.

Existe uma diminuição na espessura da pele da vagina e com isso começam a surgir pequenas fissuras, tanto no canal vaginal quanto até na parte externa.

Essas pequenas fissuras predispõem a entrada de patógenos, dificuldade de ter relações por dor, até uma coceirinha pode acontecer por conta do extremo ressecamento que vai sendo produzido por essa atrofia vaginal.

A lubrificação diminui e o aspecto externo da vagina também se modifica por essa atrofia. Os pequenos lábios, principalmente, ficam mais murchos, mais colados pela diminuição da lubrificação e a cor se modifica um pouco. Ao invés de ser aquela vagina mais túrgida e rosada, ela fica mais escurecida e mais arroxeada.

Diminuição do tônus

A diminuição do tônus é outro aspecto do envelhecimento genital ou vaginal.

Tônus é aquela força que sustenta. Na pelve, que é a parte do quadril, a gente tem ligamentos e várias estruturas que sustentam os órgãos que estão internos (bexiga, útero e a parte do canal vaginal).

Com o envelhecimento da região você começa a perder um pouco da espessura dos músculos, os ligamentos vão ficando mais frouxos e a mucosa mais fina, acarretando na dificuldade de fazer uma contração com a vagina e com a uretra.

Isso vai levar a uma dificuldade de retenção urinária. Essa contração da uretra ajuda a reter urina quando você espirra, quando você tosse, quando faz agachamento ou carrega peso.

Isso tudo são situações em que você pode ter um pouco de perda de urina, porque você não tem mais o mesmo tônus que você tinha para segurar sua uretra.

Em relação ao canal vaginal, esse afrouxamento da pelve como um todo leva ao afrouxamento da sustentação do útero e da bexiga. A bexiga fica mais baixa, o útero mais perceptível e o canal muito alargado.

Tudo isso leva a uma diminuição do prazer sexual, tanto para a mulher quanto para o homem, porque o prazer sexual depende muito desse contato íntimo entre vagina e pênis.

Há também uma diminuição na lubrificação vaginal, presente em todos os aspectos do envelhecimento.

 

Estilo de vida e histórico

A questão do tônus é muito ligada a esforços repetitivos ao longo da vida, por exemplo pessoas que carregam muito peso a vida toda, mulheres que tiveram muitos filhos, mulheres que tiveram parto normal, porque ele exige um grande esforço e isso leva a um alargamento vaginal um pouco maior do que no parto cesárea.

Mas isso não é um estímulo para o parto cesária, porque o parto normal tem milhões de outros benefícios.

Outro fator que leva a essa perda de tônus no envelhecimento é o uso de esteróides. O uso de anabolizantes e hormônios que as pessoas tomam para definir a musculatura no exercício físico também contribui para a perda de tônus e atrofia vaginal precoce.  

Esses dois fatores são muito presentes na vida de toda mulher a partir dos 30 anos. Algumas mulheres começam a apresentar isso depois dos 40 anos e isso depende muito da paridade, que é o número de filhos, também do tipo de parto, depende muito do estilo de vida, de carregar peso na musculação ou numa atividade profissional.

Tudo que você teve de esforço com a região pélvica ao longo da vida vai contribuir para isso acontecer mais cedo ou mais tarde.

 

Menopausa

A menopausa é um grande fator de risco, quase certeza de que uma dessas coisas vai acontecer.

Fatalmente todas as mulheres vão chegar neste processo de envelhecimento. É igual a ruga do rosto, a vagina não tem rugas, mas vai apresentar outros fatores de envelhecimento.

Essa série especial que começamos hoje vai ser direcionada para a questão do envelhecimento íntimo e para os tratamentos que existem para cuidar de cada problema.

E, assim, dar às mulheres uma vida sexual mais saudável e mais agradável, porque não existe mulher velha! E uma mulher de 60, 70 anos tem direito a uma vida sexual ativa, tem direito ao prazer sexual e a olhar para baixo no espelho e ver uma vagina bonita.

Não existe mais aquele pensamento de que mulher mais velha não precisa cuidar disso. Precisa sim! Toda mulher tem o direito de se sentir bem com cada pedacinho do seu corpo. 

Tratamento facial masculino

By | Blog | No Comments

Tratamento facial masculino: o que pode ser feito?

 

Tratamento facial masculino é o assunto de hoje, porque está cada vez mais frequente a presença masculina nos consultórios de medicina estética.

Os homens de todas as idades buscam rejuvenescimento ou masculinização da face, cada um com seus próprios objetivos, como a melhora da presença profissional ou até melhora da vida amorosa, deixando o preconceito de lado.

Os homens de todas as idades estão cedendo aos refinamentos da face, que muitas vezes trazem a satisfação e a autoestima que há muito tempo eles almejam.

 

Normalmente temos dois tipos de pacientes:

  1. os que buscam os tratamentos para combater os efeitos do tempo
  2. os que buscam masculinizar ou androgenizar o rosto.

A masculinização da face pode ser feita em todas as idades!

 

O que o homem busca quando pede essa masculinização da face?

Ele busca um rosto mais imponente, mais viril, que geralmente são características do sexo masculino.

Algumas características são observadas em rostos mais atraentes de homens:

  • rosto mais quadrado
  • face quadrangular
  • contorno da mandíbula mais proeminente.

Todas essas características a gente consegue fazer também em um paciente que tem o rosto mais oval ou rosto mais fino com preenchimentos faciais.

Um outro aspecto que masculiniza a face é uma lateralização da região malar.

As mulheres possuem o rosto mais ovalado na parte superior e mais proeminente na região da bochecha. Já o homem tem uma bochecha mais lateralizada, então desenhamos essa conformação mais quadrada da parte superior.

Região da Front

A front masculina tende a ser mais proeminente na parte da glabela e mais afundada na região do centro da testa. É possível deixarmos essa região mais agradável quando a gente preenche os afundamentos.

O problema das rugas também acaba se resolvendo com esse preenchimento.

 

Região do queixo

O queixo masculino é mais quadrado e mais largo, enquanto o feminino é mais redondo.

Quando o homem que tem um queixo mais retraído ou um queixo muito pequeno, nós fazemos um queixo mais quadrado, combinando com o arco de mandíbula mais quadrado e isso deixa o rosto mais imponente, mais masculino.

 

Como podemos trabalhar cada área?

Existem vários aspectos que a gente pode trabalhar, depende da queixa de cada paciente.

Nós vamos analisar o rosto daquele paciente, conjugar com a idade e com o que ele busca.

O homem pode buscar uma imponência, corrigir um olhar mais cansado, um olhar mais triste ou corrigir um rosto mais feminilizado.

Você sabia que a orelha fica velha? Clique aqui e veja o que pode ser feito para melhorar isso. 

 

E os pacientes mais velhos?

Os pacientes mais maduros buscam restabelecer o rosto masculinizado e viril, restaurando as características anteriores ao envelhecimento.

Após os 60 anos os homens têm uma queda de testosterona, o que acarreta no envelhecimento abrupto e muitas vezes assustador para um homem nessa idade.

É importante o acompanhamento frequente desse paciente para que as intervenções sejam sempre as menores possíveis.

Não é interessante um paciente chegar já muito envelhecido ao consultório buscando tratar todo aquele processo que aconteceu ao longo da vida inteira.

É muito importante tanto o homem quanto a mulher buscarem um tratamento para seguirem ao longo da vida e fazer pequenas correções para que nunca sejam necessárias grandes intervenções e grandes mudanças faciais.

Homens, se vocês querem agendar uma avaliação gratuita com a gente, entrem em contato!

Saiba mais sobre o tratamento de varizes com laser!

Varizes: laser

By | Blog

Série varizes – laser

Laser para varizes. É um dos procedimentos mais procurados por quem tem vasinhos nas pernas.

Vamos desmistificar um pouco a palavra laser.

Tudo que se fala de laser é chique. A gente pensa que “laser resolve”, mas nem sempre é assim, o laser tem que ser bem indicado. Quando bem indicados os lasers tendem a ser tratamentos bem específicos e mais resolutivos.

 

Indicações do laser

O laser para varizes, especificamente, vai tratar vasos finos. Existe a possibilidade dele tratar vasos um pouco mais calibrosos, mas a isso se somam maiores riscos de ter efeitos colaterais.

Quando a gente pensa em varizes, pensa em lesões pequenas, em vasos aglomerados, em manchas vermelhas, aranhas vasculares, pequenas lesões espalhadas.

Essas lesões são muito interessantes para o tratamento a laser, o resultado é muito mais rápido e a dor é muito menor.

Quando a gente pensa em aplicação de varizes, quanto menor o vaso, mais agulhadas o paciente leva e mais dolorido é o tratamento.

No caso do laser, ele pega muito bem os vasos finos e a dor do laser no vaso fino é infinitamente menor do que a aplicação com agulha nesses vasinhos.

 

Associação de tratamentos

O tratamento de laser, na grande maioria das vezes, deve ser associado à aplicação convencional, para a gente conseguir eliminar aquele vaso mais grossinho que está mandando sangue para aqueles vasos mais finos.

Então o laser é indicado quando a gente quer um tratamento mais rápido, menos dolorido e mais eficaz em relação ao tempo.

O laser de varizes é muito procurado para tratamento na região dos pés, porque as agulhadas da aplicação nos pés são bem desagradáveis.

Clique aqui para saber mais sobre a aplicação para as varizes. 

 

Tratando outras lesões

Além disso o laser para varizes trata qualquer lesão vascular. Qualquer problema causado por vasos, qualquer mancha causada por vasos, ele vai conseguir trabalhar, porque ele atua no pigmento.

Então tudo que tem o pigmento parecido com o da hemoglobina ele vai conseguir atingir.

As pintinhas vermelhas que vão aparecendo no corpo com a idade, os nevos rubis, o laser trata.

Vasinhos de rosto, manchas de pele vermelhinhas podem ser tratadas com o mesmo laser para varizes.

O que vai mudar é o número de sessões, potência, mas é um laser eficaz em qualquer caso que você tenha lesões vasculares.

 

Trate com um médico

É importante que o laser seja aplicado por um profissional médico. Não deve ser aplicado indiscriminadamente em qualquer vaso, eles devem ser bem escolhidos.

E, para que você não jogue dinheiro fora, é preciso analisar se aqueles vasos não têm uma nutrição mais profunda, para que o resultado seja duradouro e visível.

 

Cuidados especiais

O laser acarreta um pouco de esquentamento no local tratado, então muitas vezes são necessários cuidados pós-operatórios específicos para diminuir o risco de manchas e lesões na pele no local tratado.

É um laser que potencialmente pode machucar, pode manchar e, por isso também, deve ser manejado por um profissional médico que saiba evitar as intercorrências e, caso elas ocorram, tratá-las.

 

O recado final sobre as varizes é que não é um tratamento difícil, mas ele exige estudo, especialização, entendimento sobre o que o produto injetado naquele vaso está fazendo, o que ele pode acarretar, onde ele deve ser injetado e até se o paciente pode ser submetido às aplicações. Será que o laser vai fazer efeito naquele paciente? Será que vai ter resultado?

É importantíssimo que você se ame e busque um profissional que é capaz de lhe tratar como você merece e entender das suas varizes e de qualquer problema que você venha a ter.

Fico à disposição. Nossa avaliação é gratuita e qualquer dúvida que você tenha sobre esse assunto, pode entrar em contato.

Entenda como funciona a aplicação para varizes.

Varizes: aplicação

By | Blog

Varizes: aplicação. O que é e como funciona?

 

Aplicação convencional de varizes é o assunto de hoje.

 

Como funciona a aplicação?

 

Muita gente acha que a gente suga a veia com a agulha e não é isso. A gente coloca a agulha dentro do vaso e injeta um líquido que vai irritar a parede do vaso e, irritando essa parede, ele vai ser absorvido pelo organismo. Existem vários produtos que podem ser utilizados.

É como se a gente estivesse estragando o vaso e o organismo joga fora tudo o que está estragado. Então ele vai absorver esse vaso, eliminá-lo e, futuramente, formar um novo vaso para suprir a circulação naquele local.

Quando retiramos um vaso em um tratamento de varizes o organismo busca uma circulação alternativa, colateral, para fazer o trabalho daquele vaso que está sendo retirado.

Por isso é importante avaliar quantos vasos são retirados no mesmo local, para não desprover a região toda de circulação, porque apesar do vaso não funcionar bem, ele funciona de alguma forma.

Existe um limite de quantos vasos podem ser retirados, de quanto tratamento pode ser feito numa mesma região sem causar necrose.

 

Quantas aplicações podem ser feitas por dia?

Para responder essa pergunta é necessário, primeiramente, responder uma outra: o que é aplicação? Essa definição pode variar de profissional para profissional.

Normalmente o médico coloca uma quantidade X de produto, quantidade em mililitros, o que equivale a uma sessão. O médico vai calcular, de acordo com o produto utilizado, qual é a dose máxima que pode ser utilizada em um paciente por dia sem causas malefícios à circulação.

 

Existem contraindicações para o tratamento?  

Sim, existem contraindicações e a primeira delas é trombose. As outras são aquelas comuns à maioria dos tratamentos: doenças descompensadas, gestação, um paciente impossibilitado de cuidar do seu tratamento após a aplicação também é uma contraindicação. É necessário que o paciente compreenda os cuidados que ele vai precisar ter após a aplicação.

É interessante explicar que aplicação de varizes deixa roxos. Quanto mais calibroso o vaso tratado, mais roxinha fica a região da aplicação. Quanto mais fininho for o vaso, são mais pontilhados de agulha e menos marcas roxas.

Esses hematomas significam que um vaso foi perfurado e para fazer a aplicação o vaso é perfurado, vaza sangue por baixo da pele e fica aquela marca roxa.

Isso não significa que a aplicação foi bem feita ou mal feita. Significa que houve uma aplicação naquele vaso.

Perdeu o primeiro vídeo? Clique aqui e entenda o que são as varizes e como elas se formam. 

Cuidados após o procedimento

A atenção é voltada para os roxinhos e os vasos que estão sendo agredidos no tratamento. Essa agressão tem que ser controlada.

Normalmente a gente prescreve medicamentos em gel e até via oral para conseguir diminuir essa inflamação, diminuir os danos causados no entorno dos vasos, para evitar que a pele sofra junto com os vasos.

Muita gente acha que esses géis são apenas para os roxos, mas não, eles são para melhora da circulação local e para inibir a tromboflebite, que são pequenos coágulos que se formam no interior do vaso.

Antigamente era quase um protocolo sair de uma aplicação com as faixas, mas ultimamente ela tem sido pouco utilizada.

O que foi se percebendo é que a faixa, mesmo a elástica, tem garroteamentos nas periferias e, além de tudo, ela afrouxava. Era um enfaixamento que não ficava funcional, por ser feio, por impedir muito o movimento, e na maioria das vezes não durar o tempo que fosse necessário durar.

Hoje em dia a gente usa um microporo com pressão sobre cada buraquinho, mantendo o medicamento por mais tempo no local, mantendo uma compressão e é mais agradável para o paciente. Os resultados também são melhores, por ele ficar ali.

 

E os vasinhos?  

Não vale a pena tratar apenas aquele vasinho pequenininho, como muita gente chega no consultório pedindo. Aquele vasinho tem um vaso maior enviando sangue para ele e não dá para resolver o problema sem cortar o que está nutrindo esse problema.

Se eu não remover esse vaso maior, aquele grupo de vasinhos pequenos sempre vai voltar a aparecer.

É importante que o tratamento seja feito até o paciente receber alta do médico, porque o que ele enxerga, na maioria das vezes, não é o que está causando o problema.

É preciso tratar a base do problema para depois tratar aquele grupo de vasinhos.

A disciplina em manter o tratamento até o final é o mais importante, para você não virar escravo de aplicações e não ser aquela pessoa que está sempre no consultório fazendo aplicações, mas cujas pernas nunca ficam limpas. O tratamento não pode ser interrompido e retomado diversas vezes.

O objetivo é deixar suas pernas limpinhas, tirar todos os vasos visíveis, para que você volte para uma manutenção de vez em quando, a cada 6 meses ou a cada 2 anos. Isso vai depender da sua tendência, da sua genética, do seu dia a dia.

Você deve retornar sempre que aparecer um vaso novo. Quanto mais vasos você juntar, mais trabalho vai dar, menos satisfeito você vai ficar e mais dinheiro você vai gastar.

Fazer a manutenção regular vai lhe dar qualidade de vida, você vai ficar com as penas bonitas, não vai ter vergonha de usar roupas mais curtas, e vai gastar muito menos toda vez que voltar.  

No próximo post vamos falar sobre o laser para varizes. Até lá!

O que são as varizes e por que elas aparecem?

Varizes

By | Blog

Varizes: o que são e por que elas aparecem?

 

Hoje vou começar uma nova série sobre varizes.

Vou tentar abordar os temas mais importantes sobre varizes, começando pela explicação: o que são varizes?

Muitos pacientes chegam para fazer a avaliação falando que não têm varizes e sim vasinhos.

Varizes são veias que não funcionam bem.

E por que isso acontece? Por que ela fica feia na pele ou começa a causar dores nas pernas? Por que a gente tem problemas com a circulação?

 

O sistema circulatório

Vamos relembrar. As veias fazem qual trabalho? Elas pegam o sangue e levam para o pulmão, para que ele seja oxigenado e as artérias devolvam o sangue oxigenado para o corpo todo.

O trabalho das veias é contra a lei da gravidade. As veias fazem o retorno venoso, dos pés para o pulmão, fazendo o esforço de levar esse sangue lá para cima contra a gravidade.

Mas existe um detalhe: as veias não têm um movimento que ajude a fazer esse sangue retornar. Então esse retorno venoso é muito mais complicado do que a gente pensa.

No nosso organismo a gente tem o bombeamento do coração, que bate e joga aquele sangue com força para os tecidos. Entre um bombeamento e outro ele tem uma paradinha que é compensada pelo esforço muscular das artérias e pelas válvulas das veias.

As válvulas são as responsáveis pelo sangue todo não ir parar no pé. Ao longo do vaso temos várias válvulas que se fecham para que o sangue não volte todo para o pé. E as varizes são válvulas defeituosas.

 

Válvulas defeituosas

Quando a gente não tem o funcionamento adequado dessas válvulas o sangue acaba tendo um refluxo, que é um fluxo contra, por conta de uma válvula que não fechou direito ou não fechou completamente.

Isso sobrecarrega a válvula de baixo, que precisa suportar o peso de dois compartimentos de sangue. Com o tempo esse efeito se espalha por várias válvulas e por isso que as varizes aumentam. Vai acontecer um ciclo de sobrecarga sobre as válvulas.

Isso acontece por diversos motivos e existem vários fatores de risco.

 

Fatores de risco

Existe um fator genético, às vezes as válvulas são mais fracas ou algum outro problema que faz com que ela tenha um risco maior de ter varizes.

Outros fatores de risco são coisas que fazem grandes impactos, que podem arrebentar pequenas veias. Exercícios de impacto, que você bata muito o pé no chão, como correr e pular.

Excesso de carga na academia, carregar peso demais também faz uma piora da microcirculação.

Doenças que causam inflamação, por exemplo diabetes, fazem com que você tenha mais tendência a problemas circulatórios.

 

Avaliando as causas

As causas das varizes têm que ser avaliadas caso a caso. Se são cirúrgicas, se precisam ser tratadas clinicamente ou se são apenas varizes estéticas. Isso tem que ser analisado antes de se iniciar um tratamento.

Além de tudo a gente tem que avaliar as coisas que se associam a essas varizes, como o risco de trombose. Avaliar, inclusive, com exames quando for o caso. E pensar sempre no custo-benefício do tratamento.

Varizes são um problema que pode ser sério e pode ser mais voltado para o lado estético e de qualidade de vida, mas ele pode não colocar em risco a vida do paciente.

Vale a pena tratar as varizes de um paciente, mesmo que ele tenha dor nas pernas, mas que acarrete em risco de vida para ele? Por exemplo um paciente idoso, com problemas cardíacos ou outras comorbidades.

Isso vai colocá-lo em um risco maior do que as dores nas pernas? Isso tem que ser muito bem analisado quando um tratamento, uma aplicação ou cirurgia forem prescritos.

 

Sobre o tratamento

Então, primeiramente, é interessante consultar um médico.

O tratamento de varizes está largamente difundido em ser aplicado por outros profissionais que não conhecem e não têm a área de formação nem para entender bem como funciona a circulação sanguínea e como funcionam as repercussões de um problema circulatório, quanto menos como deve ser tratada a complicação de um tratamento de varizes.

É um tratamento sério, muito corriqueiro, normalmente muito tranquilo, mas que pode ter complicações e elas devem ser devidamente tratadas.

No próximo post eu vou entrar em detalhes sobre a aplicação.  

O que é e como tratar a boca triste?

Boca triste

By | Blog

Boca triste: tratamentos para resolver o problema

Boca triste? O que é isso?

É aquela boca que você olha no espelho e se vê com uma cara triste, mesmo estando muito alegre.

O que a gente percebe é que a boca vai perdendo a sustentação e os ângulos vão virando para baixo. Isso dá um aspecto de boca de choro, deixando o rosto triste mesmo quando você está muito alegre.

 

E como resolver esse problema?

É preciso pensar nas causas dessa boca triste. Por que a boca caiu? Por que o cantinho virou?

Muita gente chega ao consultório dizendo que quer fazer preenchimento nos lábios porque a boca está caída. E não é por aí, não foi a boca que caiu, mas todas as estruturas que sustentam a boca, as estruturas laterais que precisam ser cuidadas, como se fossem pilares da boca, para que ela volte para o lugar.

Mesmo em caso de bocas tristes inatas, quando a pessoa tem um desenho com o ângulo voltado para baixo, é possível melhorar esse desenho.

A boca triste ocasionada por envelhecimento é mais simples, a gente consegue devolver mais fácil do que transformar. A transformação de uma boca que sempre teve a angulação voltada para baixo é mais complicada, mas pode ser feita.

Em primeiro lugar é preciso analisar o que foi perdido nessa região. O que é necessário reestruturar? Onde estão os afundamentos que foram se perdendo com o tempo e que remodelaram essa área?

Normalmente a gente tem uma perda óssea nessa região inferior dos dentes, que causa uma remodelação da gordura e até da musculatura, da própria mímica facial, do jeito de falar.

Isso vai causando afundamentos na região abaixo do lábio inferior e é justamente a área que faz o pilar da boca.

Ao mesmo tempo em que isso ocorre, a boca cai. E a boca caindo, junto com esse afundamento, a gente ganha um outro problema muito indesejado que é a bochecha de Bulldog.

Clique aqui para saber o que é e como tratar o umbigo triste.

 

Estrutura

Abordando a boca triste é preciso pensar primeiramente na estrutura. Como isso pode ser estruturado?

Através de volumização, de pilares que vão ser injetados, inseridos ao redor da boca para deixá-la bem sustentada.

Podemos também usar bioestimuladores, para melhorar a elasticidade da pele, para conseguir uma firmeza maior.

Em segundo momento vamos pensar no queixo.

O queixo diminuiu de tamanho? Ele está com uma angulação legal? Muitas vezes para tratar a boca triste é necessário estruturar o mento.

Nós tratamos o mento, a lateral, os sulcos laterais que estão muito afundados e acabam caindo em volta da boca. Existe uma necessidade de dar uma puxada lateral, de mexer no sulco nasolabial?

O tratamento de boca triste, na verdade, é o tratamento da periferia toda ad boca. A gente precisa sustentar essa boca e depois, em último momento, pensar em um refinamento e na volumização dos lábios.

Aí vamos embelezar os lábios, depois de sustentar, de tratar o envelhecimento, nós vamos desenhar.

Se a sua boca está triste, vamos programar o seu tratamento, fazer uma estruturação para ficar com um resultado natural, bonito, sem sair preenchendo o lábio. Senão você vai ter um lábio de pato, grande e com o resto murcho. Você vai ficar insatisfeita e gastar dinheiro à toa.

Esse tipo de tratamento tem que se programado e planejado por um profissional que entende de harmonização facial e que estuda todas as estruturas que estão intimamente ligadas em nosso rosto.

Seu umbigo está triste? Saiba como melhorar!

Umbigo triste

By | Blog

Umbigo triste: como corrigir esse problema?

 

Umbigo triste. Já olhou para o seu umbigo e ele pareceu triste? Eu ouço muito isso no consultório.

Umbigo triste? O que é isso?

É quando o umbigo começa a ter uma angulação para baixo, como se fosse uma boca triste. Isso acontece pela dificuldade de sustentação de todas as estruturas que estão ali em volta.

Normalmente por gestação, ganho e perda de peso e outras coisas que ocorrem na região abdominal em relação à elasticidade, até o próprio envelhecimento, mesmo sem esticamento da pele, que vão acarretar nessa perda de sustentação.

E quando você olha no espelho o que chama a atenção no seu abdômen é o umbigo. Ele é o ponto de referência, o ponto central e se ele está sem harmonia vai chamar a atenção.

 

Para tratar o umbigo triste é necessário saber as causas.

O que tem que ser abordado primeiro? Qual a causa dessa tristeza?

Normalmente a causa vem da parte abdominal superior, a parte acima do umbigo. O que pode ter acontecido ali?

Problemas musculares: flacidez muscular, falta de atividade física, flacidez muscular acarretada por gestações ou até por problemas musculares.

Essa perda de sustentação muscular no abdômen superior vai fazer com que o seu abdômen fique menos firme e sofra uma leve queda, podendo também causar impressão de umbigo triste.

Outra coisa que pode acontecer é a diástase abdominal, quando há um distanciamento do músculo reto abdominal, o músculo do tanquinho.

Quando a gente engravida, por exemplo, esse músculo descola e depois ele cola, mas às vezes isso não acontece e ele fica com um pequeno afastamento que é a diástase. Isso faz com que haja menos sustentação no abdômen também e acarreta uma impressão de umbigo triste.

Outra parte importante de pensar é a flacidez de pele, que é o que mais diretamente causa a questão do umbigo triste, uma causa direta de falta de sustentação na parte superior do umbigo pela diminuição da elasticidade.

A gente tem que pensar em abordar as causas da flacidez e tratá-la, não só pensar diretamente no umbigo, principalmente na parte superior, para a gente puxar essa pele, para que o umbigo fique sorridente de novo.

Também precisamos pensar nas gorduras, o acúmulo de gorduras ao redor do umbigo. Às vezes a gordura localizada periférica causa uma impressão de um umbigo pouco harmônico, ele perde o formato pela deposição de gordura.

À medida que a gente vai envelhecendo, pelos hormônios irem se diferenciando, a deposição de gordura abdominal modifica muito.

 

E como tratar tudo isso?

A diástase abdominal é tratada cirurgicamente. Deve ser buscado um cirurgião geral ou um cirurgião plástico para avaliar se no seu caso é realmente necessária a cirurgia.

Em alguns casos se consegue um bom resultado com atividade física. Ela fortalece a musculatura do reto abdominal e você consegue aproximar bastante essa costura do músculo, diminuindo essa sensação de não sustentação.

A mesma coisa para a flacidez muscular. A musculação e a atividade física vão fazer com que essa musculatura se sustente e melhore o aspecto do abdômen.

Em relação à flacidez de pele, é preciso pensar primeiro no grau dessa flacidez. É uma flacidez generalizada, que está no abdômen superior e no inferior? Existe dobra de pele? Há possibilidade de resolver isso de forma não cirúrgica?

Se a flacidez não for muito intensa, for sem dobras, é possível pensar em tratamentos não invasivos, não cirúrgicos.

 

Estímulo de colágeno

É importante tratar pensando em estímulo de colágeno e melhorando a qualidade da elasticidade. Isso a gente consegue por bioestimuladores, que vão estimular o seu próprio organismo a produzir colágeno, dentre eles os fios Silhouette Soft e o Sculptra.

O laser de CO2 fracionado também é um tratamento estimulador e pode ser feito em abdômen completo. Pode ser feito mais forte na região do umbigo para tratar, inclusive, as rugas que se formam pelas dobras. O umbigo vai ficando além de triste enrugado! Então o laser de CO2 deixa esse umbigo mais lisinho.

A radiofrequência é um tratamento muito utilizado para flacidez abdominal, também para manutenção quando são feitos outros tratamentos. É legal fazer a radiofrequência 1 ou 2 vezes por ano para manter sempre um saldo positivo em relação à formação de colágeno, em contrapartida com o seu envelhecimento.

Um outro tratamento para a gordura é modelar para deixar a barriga mais lisa e homogênea, isso com tratamentos que vão melhorar a gordura localizada, como a lipo enzimática, a criolipólise e a lipo sem cortes, que é a ultracavitação.

A escolha deles vai depender se a gordura é muito localizada ou mais espalhada.

Umbigo triste tem jeito. Vamos deixar a sua barriga mais retinha, mais lisinha. Realmente incomoda quando a gente vai colocar um biquíni, ele tira o foco da beleza do resto.

Vale a pena fazer uma avaliação e ver se o seu umbigo triste pode ser resolvido com tratamentos mais simples e não cirúrgicos.

 

Como ter joelhos e cotovelos bonitos?

Joelhos e cotovelos bonitos?

By | Blog

Joelhos e cotovelos merecem cuidados especiais

 

Joelhos e cotovelos são duas partes do corpo que incomodam quando a gente para e presta atenção nelas, principalmente quando saem na foto.

Quem nunca olhou para o cotovelo e falou “meu Deus, que parte horrível do corpo eu tenho”? Porque não há quem diga que joelho e cotovelo são lindos, eles são feios.

Então como a gente pode fazer isso ficar menos feio? Como ter joelhos e cotovelos que, pelo menos, não chamem a atenção?

Com a idade, com o passar da vida e até com as atividades intrínsecas na vida de cada pessoa, como atividade física, esporte, tipo de vestimenta que usa, a gente acaba tendo joelhos e cotovelos mais ou menos ásperos, mais ou menos pigmentados.

Então como a gente pode fazer para que os nossos joelhos e cotovelos não chamem a atenção e não nos incomodem, que existam sem chamar a atenção?

 

Cuidados diários

A gente tem que pensar sempre primeiro nos cuidados em casa. Hidratar muito, cuidar dessas áreas que têm uma camada de queratina maior.

São áreas que a gente tem mais atrito, mais movimento, então a pele fica mais grossa, mais feia e isso pode ser melhorado em grande parte pelos cuidados em casa.

Então o uso de um bom creme hidratante é o principal, antes de a gente pensar em qualquer procedimento em consultório.

O que eu pode ser feito para um joelho ou cotovelo que já estão grosseiros, com a pele muito grossa?

 

Tratando a pele muito grossa

Eu tenho que pensar em alguma coisa que consiga diminuir a espessura dessa camada.

Um tratamento muito interessante e que ninguém pensa nele para joelhos e cotovelos é o laser de CO2 fracionado.

O que ele vai fazer? Vai tratar aquela camada superficial de queratina, que é aquela pele morta, vai queimar aquela camada e fazer com que você fique com a camada mais fina da pele.

Ele vai tratar as manchas, diminuir a pele grosseira, melhorando a textura e a pele como um todo, que fica mais lisa e agradável ao toque.

Obviamente o cuidado contínuo após esse tratamento tem que existir para você manter o resultado.

Existem outros tratamentos também, como os peelings, que vão fazer uma descamação, sempre pensando na renovação dessa camada superficial, essa camada de células mortas, para que a gente deixe a pele mais lisa, mais fina e mais agradável.

Claro que existe um limite. A gente não consegue deixar um joelho igual a um rosto, porque a gente precisa da proteção dessa camada de queratina maior, por ser uma área que tem mais impacto, sofre mais atrito. Precisa ter proteção, senão você vai machucar o joelho e o cotovelo.

 

E como tratar as manchas?

Em relação a manchas, e o joelho sofre mais com isso do que o cotovelo, a gente tem que pensar porque ele está manchando.

Eu estou fazendo alguma coisa para manchar? Estou usando muita roupa justa, que causa mais atrito nos joelhos na hora de sentar? Ou eu faço algum esporte, alguma atividade física que possa causar as manchas? Ou o meu trabalho exige que eu coloque o joelho de alguma forma, algum EPI necessário no trabalho que pegue na região do joelho?

O que no seu dia a dia pode estar contribuindo para a pigmentação? É possível remover esse fator de risco da sua rotina? Se não for, a gente pensa em tratamentos clareadores locais e tratamentos para poder fazer essa renovação celular ao mesmo tempo.

Eu quis abordar esses dois pedacinhos porque são partes que realmente a gente quer melhorar, mas pensa que não em solução. Quem vai pensar em tratamento para os joelhos e cotovelos feios?

Eles têm solução, então marque sua avaliação com a gente. Estamos à disposição para deixá-los mais invisíveis.