Limpeza de pele

Higienização: É a primeira fase da limpeza, feita com loções e demaquilantes para retirar impurezas superficiais ou maquiagem. São usados produtos na forma de musse, emulsão, creme ou gel.

Esfoliação: Realizada com cosméticos cheios de grânulos, remove as células mortas e afina a parte mais superficial da pele

Desincrustação: Alguns dermatologistas fazem uma máscara para amolecer a camada superficial da pele e favorecer a retirada de cravos, espinhas e miliuns.

Vapor: O rosto fica sob vapores de ozônio para abrir os poros. O gás também tem efeito bactericida e ajuda a preparar a região para as extrações.

Extração: É a caça ao inimigo. Pode ser feita manualmente ou com um aparelho de sucção, sem a necessidade de espremer com as mãos. Os cravos brancos e miliuns são retirados com uma microagulha esterilizada, por serem mais profundos.
Máscara calmante: O rosto recebe uma máscara que irá recuperá-lo de tantas apertadinhas. Existem produtos específicos pada tipo de pele, hidratando ou controlando a oleosidade.

Perguntas frequentes:
A. Todo mundo deve fazer limpeza de pele?
Não. Pacientes com a pele cheia de espinhas amareladas devem evitar o procedimento. Nessa situação, a infecção pode se disseminar e o tratamento, em vez de ajudar, vai comprometer a saúde cutânea. Nessas situações, o melhor é fazer um tratamento com o dermatologista, esperar as espinhas sumirem e, aí sim, incluir a limpeza na rotina.

B. Posso fazer limpeza quando estiver bronzeada?
Não é recomendado. Após a exposição prolongada ao sol, a melanina (substância responsável pelo escurecimento da pele) está em plena atividade. Portanto, o contato com alguma substância mais agressiva pode provocar o aparecimento de manchas que vão ficar ainda mais evidentes quando o bronzeado sumir.

C. Depois de fazer a limpeza, é permitido tomar sol?
Saindo da clínica, fique 48 horas sem se expor ao sol. Além disso, aplique filtro solar recomendado pelo médico.

D. Grávidas podem fazer limpeza de pele?
Sim, porém com restrição de alguns produtos utilizados em pacientes não gestantes.